Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Adidas lança ténis de papelão reciclado em Abril de 2014

Mäyjo, 04.03.14

Adidas lança ténis de papelão reciclado em Abril de 2014 (com FOTOS)

 

A marca alemã Adidas vai lançar no mercado, em Abril próximo, cinco novos diferentes de ténis feitos a partir de papelão reciclado. Entre os modelos está um de corrida, o ZX8000.

Segundo o agregador O Meu Bem Estar (OMBE), a Adidas terá negociado uma parceria com o designer britânico Chris Anderson, tendo como objectivo criar um novo modelo de ténis feitos a partir de papelão reciclado. Para já, a marca anunciou que serão produzidas versões sustentáveis de cinco modelos diferentes de ténis, que começarão a ser comercializados a partir de Abril de 2014.

Os ténis serão feitos de papelão, inclusive os logótipos da marca e as palmilhas, e terão um conforto idêntico aos modelos convencionais, garante a marca. Irão, também, utilizar apenas cola não tóxica, fita adesiva – para unir todas as partes – e cordel que irá substituir os atacadores convencionais.

De acordo com a Adidas, para já serão apenas fabricadas versões sustentáveis dos modelos Campus e Stan Smith – adequados para skateboarding – , Superstar Shelltoe, ZX700 e do modelo de corrida ZX8000.

O agregador OMBE alerta ainda para o facto de um grupo de especialistas se ter já manifestado quanto à viabilidade comercial do produto, sobretudo porque o papelão é resistente, mas não deixa de exigir cuidados redobrados nos dias de chuva e nos terrenos molhados.

Os ténis, cujo preço ainda não foi revelado, serão produzidos em larga escala, fazendo parte da colecção Primavera/Verão na Europa e nos EUA.

União Europeia quer que os Estados membros desincentivem o uso dos sacos de plástico

Mäyjo, 04.03.14

A União Europeia quer que os Estados membros desincentivem o uso de sacos de plásticos devido aos seus nefastos impactos ambientais e, por isso, apresenta hoje um conjunto de medidas que devem ser adotadas pelo 28 países que a integram para concretizar este objetivo.

Os sacos de plástico são produtos da atividade humana cuja degradação demora centenas de anos e que, por isso, têm tendência a acumular-se. Grandes quantidades deste tipo de invólucro que é utilizado para o transporte de produtos após aquisição nas lojas acabam no mar, onde fazem vítimas que os ingerem por os confundirem com alimento, como acontece com certas tartarugas marinhas que se alimentam de medusas, ou com algumas espécies de baleias.

Um caso particular são os sacos de plástico muitos finos, com espessura inferior a 50 microns, que são menos reutilizados que os sacos mais espessos e, consequentemente, representam uma fração maior dos resíduos.

Alguns países europeus já tomaram medidas para diminuir utilização de sacos de plástico. Um exemplo é a Dinamarca que, ao aplicar um imposto aos sacos de plástico, fez com que os seus habitantes passassem a consumir apenas 4 sacos de plástico por ano, em contraste com os 466 que constituem a média em Portugal e na Polónia.

O que a UE quer é que outros Estados membros façam o mesmo que a Dinamarca de forma a diminuir de forma significativa o número de sacos de plástico finos utilizados no seu território que, só em 2010, rondou os 98,6 mil milhões, o equivalente a aproximadamente 198 por cidadão. 

Para o conseguir a UE apresenta hoje várias propostas de medidas entre as quais Membros podem optar. Estas medidas incluem a cobrança de um imposto, a definição de metas de redução nacionais ou até a proibição do uso de sacos de plástico em determinadas circunstâncias.

“Estamos a agir para resolver um problema ambiental muito sério e óbvio, refere Janez Potocnik, Comissário Europeu do Ambiente. “Alguns Estados-membros já obtiveram grandes resultados em termos da redução do uso dos sacos de plástico” e “se outros seguirem o exemplo, poderíamos reduzir o consumo global na União Europeia em quase 80%”.

Fontes: UE - CI e http://www.guardian.co.uk

 

in: Naturlink